Neuro Design: Neurociência aplicada ao universo do Design de Mobiliário

Esse instigante assunto é a abordagem que Lorí Crízel, arquiteto especializado em Neurociências e Comportamento Humano, autor do primeiro livro do Brasil sobre Neurociência aplicada à Arquitetura, ao Design e à Iluminação, apresenta em sua participação no Design Tank Brasil, a maior experiência imersiva de conteúdo, mentoria e concurso de design do Brasil.

Lorí, em conjunto com outros grandes nomes do cenário brasileiro como André Menin, Paulo Mezzomo e Jean Dallazem, compõe o grupo de mentores que trazem suas expertises profissionais para esse grande evento, o qual engloba temas ligados à inovação, estratégias e modelos de negócio.

Lorí aponta que cerca de 70 anos se passaram desde as primeiras descobertas laboratoriais sobre o funcionamento do sistema nervoso e sua relação direta com as experiências vivenciadas pelos seres humanos. Destes estudos foi estabelecida uma relação direta e extremamente valiosa com a arquitetura e o design ao constatar como os espaços e os elementos que os compõem, mobiliários e produtos, interferem diretamente na maneira como as pessoas percebem, interagem e se apropriam destas espacialidades.

A contribuição da neurociência para o design de mobiliário, de produto e de interiores, o chamado “neurodesign”, tem evoluído rumo às respostas sobre o funcionamento do cérebro humano e a compreensão sobre outras áreas investigativas como os campos sensoriais, cognitivos e comportamentais dos usuários dentro dos ambientes e frente às experiências vivenciadas.

Cientistas, arquitetos e designers têm buscado comprovar quais as influências diretas dos ambientes na leitura feita pelo cérebro humano, de forma inconsciente. Tais mapeamentos são feitos tendo como auxílio exames laboratoriais e análises observacionais, envolvendo a observação sistemática do comportamento humano diante da interação com diferentes ambientes.

A somatória desses estudos auxiliam a interpretar a relação cérebro-espaço e obter informações de como os indivíduos percebem os ambientes, alteram seus comportamentos, sensações e tomam decisões influenciados pelos estímulos que recebem do meio externo

O acesso a tais estudos tem permitido à arquitetos e designers a conferirem resultados aos seus projetos que superam a questão estética. Ao compreender de forma científica os impactos de sua produção é possível que os produtos idealizadas passem a ganhar configurações específicas já observadas e compreendidas através do modelo perceptivo humano.

Com isso, o design passa a primar pelo impacto direto que vai promover no inconsciente humano, antes mesmo de se haver a preocupação com sua estética. Os resultados colhidos com a aplicação de tais pesquisas durante o ato projetual têm comprovado os benefícios diretos aos usuários, que passaram a responder dentro do espectro dos resultados de experiências tidas como positivas e saudáveis.

Toda essa dinâmica investigativa que o neurodesign vem se propondo a entregar está embasada no fato de que se calcula que 90% do tempo das pessoas é vivido dentro de ambientes projetados, e consequentemente, formado também por objetos e mobiliários. Tais ambientes exercem influência sobre como o cérebro processa informações. Assim, pesquisas e linhas investigativas no universo do neurodesign ganharam tamanha notoriedade, visto que seu principal foco está concentrado em promover experiências mais saudáveis, significativas e qualificadas aos usuários.

Diante desse cenário, o neurodesign conquistou notoriedade e vem cada vez mais embasado projetos mundo afora, servindo de estímulo e ferramenta projetual aos profissionais que buscam diferenciais para sua atuação, sempre pautados numa melhor assertividade na entrega de seus resultados.

No cenário do Design Tank Brasil, Lorí traz o tema construindo com os participantes uma compreensão sobre público-alvo e suas análises para que se chegue ao nível de compreensão das designações intencionais de clusters/público de interesse.

Essa compreensão de público norteia inúmeras condicionantes de produção de um produto ou mobiliário para as expectativas e modelos relacionais de um determinado grupo de usuários. Um conhecimento amplamente aplicável no tocante aos novos modelos de mercados mundiais.

Segundo Lorí “quanto mais conhecemos sobre pessoas, mais conhecemos sobre projetos”, e nesse cenário específico, o projeto de produto e mobiliário encontra-se totalmente inserido. Assim, sua abordagem de conteúdo no Design Tank Brasil traz questões que vão desde a compreensão de público, suas estruturas relacionais, chegando até técnicas de concepção e ferramentas de desenho/projeto dentro do conceito proposto.

Todos esses assuntos, técnicas, dinâmicas e ferramentas são abordadas pelo arquiteto dentro do evento e, drops desses saberes são também disponibilizados em suas redes sociais.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email